Frankliniella schultzei

Tripes

Geral

Este tripes causa danos de importância econômica em várias culturas: abobrinha, algodão, amendoim, batata, berinjela, cebola, fumo, jiló, melancia, melão, pepino, pimenta, pimentão, soja, tomate e uva. É um inseto que pode provocar sérios problemas na cultura do tomate, pois transmite o vírus do "vira cabeça", que, dependendo da proporção de incidência, pode acabar com uma área de plantio.

Aparência e ciclo de vida do Tripes

O ovo é alongado, reniforme, amarelo-pálido a amarelo-forte até se tornar transparente pouco antes da eclosão da larva sendo depositados no interior do tecido epidérmico das folhas A larva possui dois instares. Assemelham-se com os adultos exceto pela ausência de asas, olhos pigmentados vermelhos e menor número de antenômeros. Pré-pupa: inativos, antenas posicionadas para frente da cabeça e tecas alares curtas. Pupa: inativo, antenas posicionadas para trás e para baixo da cabeça, tecas alares alongadas. Fase larval, pré-pupa e pupa dura em média de 8,3 dias. Os adultos possuem corpo alongado com asas franjadas e translúcidas. As fêmeas medem 1,4 mm de comprimento e os machos 1,0 a 1,2 mm. Coloração marrom-escura. A longevidade das fêmeas e machos adultos é de aproximadamente 15 dias. Os adultos se abrigam dentro das flores e embaixo das folhas e brotos. Fêmeas depositam de vinte a cem ovos nas folhas. Transmissor das viroses Tomato spotted wilt virus (TSWV) e do Tomato chlorotic spot virus (TCSV).

Sintomas e danos

Tanto a fase jovem quanto a fase adulta do tripes atacam as folhas, raspam a superfície foliar e sugam a seiva que extravasa alimentando-se da seiva das plantas, provocando o dobramento dos bordos para cima e a descoloração esbranquiçada. Quando o ataque ocorre nas inflorescências, a descoloração é avermelhada e pode resultar em esterilidade das flores. O desenvolvimento da população da praga evolui conforme o crescimento das plantas, atingindo seu pico no florescimento.

Os maiores danos são provocados pela transmissão do vírus vira-cabeça, que os tripes liberam ao sugarem a seiva da planta. Os sintomas na planta doente são facilmente identificáveis: folhas bronzeadas, caule com faixas escuras, frutos com manchas amareladas e curvamento dos ponteiros das plantas, sendo que esse último é a razão do nome da doença.

Não utilizar a planta de milho como barreira para a cultura alvo pois ela serve de abrigo.

Entre em contato com um especialista da Koppert

Koppert Biological Systems

Thanks for your request!

Something went wrong, please try again

Quer saber mais sobre nossa empresa e produtos? Entre em contato com um dos nossos especialistas.
Produzimos produtos e soluções para agricultores

Assine nossa newsletter

Receba notícias da Koppert do Brasil na sua caixa de e-mail

Rolar para o topo