Hypothenemus hampei

Broca do café

Geral

Dentre as principais pragas da cafeicultura mundial, está a broca-do-café, Hypothenemus hampei (Coleoptera: Curculionidae), considerada uma das mais importantes espécies. Esta praga é originaria da África Central e foi introduzida no Brasil em 1913, sendo encontrada em praticamente todas as regiões produtoras. No Brasil, as perdas provocadas por esse inseto em lavouras de café foram estimadas entre 215 a 358 milhões de dólares por ano.

Aparência e ciclo de vida da Broca do café

H. hampei tem como adulto um besourinho preto luzido, de corpo cilíndrico e ligeiramente recurvado para a região posterior. Os élitros são revestidos de cerdas e escamas piriformes características. Os machos são menores, tendo o seu corpo um comprimento médio de 1,24 milímetros enquanto que o das fêmeas é de 1,74 milímetros. Além do tamanho, o macho distingue-se facilmente da fêmea por apresentar vestígios de asas membranosas, motivo pelo qual é incapaz de voar. De um modo geral, pode se considerar que a disseminação da praga ocorre por meio de vôos de curta a longa distância da fêmea, transporte passivo (animais, veículos, pessoas, vento, etc.) e por café comercializado. Esta praga apresenta algumas particularidades quanto aos aspectos bioecológicos e comportamentais tornando difícil seu controle. São fatores que contribuem para isso: a sua natureza críptica, ficando dentro da semente de café a maior parte de seu ciclo de vida; seu ciclo multivoltino, podendo ocorrer de quatro a sete gerações por ano; sendo a razão sexual atípica de 10:1 de fêmeas em relação a machos; e também o fato de as fêmeas apresentarem uma alta longevidade que pode ser superior a 150 dias. A cópula ocorre entre os irmãos que nasceram no interior do fruto e somente as fêmeas adultas acasaladas da broca-do-café são capazes de abandonar o fruto para iniciar novas infestações, sendo chamadas de fêmeas colonizadoras. Esse processo de abandono é iniciado quando fatores ambientais favoráveis, como aumento de temperatura e umidade relativa do ar superior a 90% ocorrem, especialmente após as chuvas e a condição de luz, que estimulam o surgimento de fêmeas colonizadoras.

Sintomas e danos

A broca é bastante prejudicial à produção de café, pois ataca o fruto nos vários estágios de maturação, alimentando-se dos tecidos da semente. Isso resulta na perda de peso dos grãos e/ou qualidade do café, refletindo negativamente sobre o valor comercial do produto. Dependendo do nível de infestação as perdas podem chegar a 80%. A qualidade da bebida também é prejudicada, uma vez que as lesões ocasionadas pelo inseto no fruto servem de entrada para microorganismos, bactérias e fungos, que são agentes responsáveis pelo apodrecimento e queda dos frutos. Além disso, muitos dos microorganismos têm associação direta com a broca-do-café, os quais são responsáveis pela produção de toxinas no grão. As fêmeas adultas de H. hampei constroem galeria na semente de café para reprodução, sendo que é possível chegar a ser encontrar 300 indivíduos em um único fruto. Essa praga provoca perdas qualitativas, pela alteração no sabor, e quantitativas, pelo consumo do endosperma devido à alimentação das larvas e pela queda de frutos infestados ao solo antes mesmo do ponto de colheita.

Como controlar a Broca do café?

A Koppert fornece diversas soluções para o controle biológico da praga Broca do café.

Entre em contato com um especialista da Koppert

Koppert Biological Systems

Thanks for your request!

Something went wrong, please try again

Quer saber mais sobre nossa empresa e produtos? Entre em contato com um dos nossos especialistas.
Produzimos produtos e soluções para agricultores

Assine nossa newsletter

Receba notícias da Koppert do Brasil na sua caixa de e-mail

Rolar para o topo