Neoleucionodes elegantalis

Broca pequena do tomateiro

Geral

Esta praga está presente no México, Costa Rica, Cuba, Honduras, Grenada, Guatemala, Jamaica, Panama, Porto Rico, Trinidad e Tobago, Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e  Venezuela. Tem como hospedeiro as plantas da espécie Solanum, incluindo o tomate (Solanum lycopersicum), berinjela (Solanum melongena), jiló (Solanum aethiopicum) e pimentão, entre outros.

Aparência e ciclo de vida da Broca pequena do tomateiro

Os ovos são brancos e de número variável, podendo ser 3 por fruto, em média. São depositados junto ao cálice ou sobre as sépalas. A fase de ovo tem duração de 5 a 6 dias. As lagartas completamente desenvolvidas, medem cerca de 11 a 13 mm de comprimento apresentando coloração rosada uniforme, com o primeiro segmento torácico amarelado. Após nascerem procuram penetrar no fruto através de sua película. O orifício feito para sua penetração é quase imperceptível e posteriormente desaparece devido ao deslocamento da polpa atacada. Terminado o período larval (após 18 dias em média) a lagarta abandona o fruto e passa à pupa nas proximidades do solo, nos detritos existentes em torno da planta, confeccionando o casulo. Após cerca de 17 dias, emerge o adulto. Este é uma mariposa de cerca de 25 mm de envergadura e coloração branca. As asas são transparentes, as anteriores possuem uma mancha cor de tijolo e as posteriores, pequenas manchas marrons. O tempo de vida do adulto é de cerca de 6 dias e é a fase que resiste a temperaturas mais baixas (até 8,5ºC).

Sintomas e danos

O ataque da praga começa quando as fêmeas fertilizadas colocam seus ovos nas bases dos frutos, precisamente debaixo do cálice da flor. Ao eclodir dos ovos, as larvas imediatamente perfuram o fruto, deixando uma cicatriz de entrada, mediante a qual se reconhece que o fruto está atacado pela praga. A larva permanece alimentando-se dentro do fruto e quando se aproxima da fase de pupa, sai empupando no solo, deixando no local uma ferida que permitirá a entrada de microorganismos patógenos no fruto. No Brasil a broca pequena é responsável por uma perda média de 45% da produção nacional, chegando a atingir 100% em algumas regiões.

Entre em contato com um especialista da Koppert

Koppert Biological Systems

Thanks for your request!

Something went wrong, please try again

Quer saber mais sobre nossa empresa e produtos? Entre em contato com um dos nossos especialistas.
Produzimos produtos e soluções para agricultores

Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pela Política de privacidade e Termos de serviço da Google.
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pela Política de privacidade e Termos de serviço da Google.

Assine nossa newsletter

Receba notícias da Koppert do Brasil na sua caixa de e-mail

Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pela Política de privacidade e Termos de serviço da Google.
Rolar para o topo