Thielaviopsis paradoxa

Podridão abacaxi

Geral

Ceratocystis paradoxa é um fungo pertence à sub-divisão Ascomycotina. Nas condições brasileiras o fungo é normalmente encontrado na forma imperfeita, Thielaviopsis paradoxa. Este produz dois tipos de esporos: microconídios e macroconídios. Os primeiros são produzidos endogenamente nos conidióforos, são hialinos, pequenos, eretos e eliminados na forma de bastonetes em cadeia. Nas hifas mais velhas formam-se numerosas ramificações que produzem conidióforos curtos onde são formados macroconídios ovais, pardo-escuros, com volume 3 a 4 vezes maior que o do microconídios. Saprófito dos restos de culturas ou outros materiais vegetais em decomposição. Pode ser disseminado através dos frutos e pelas mudas infectadas. Os conídios são dispersados pelo vento, respingos da água da chuva, irrigação por aspersão ou por insetos. Temperatura ótima de 25ºC e umidade relativa do ar alta. A incidência e a severidade vão variar de acordo com o organismo que conseguir entrar nos cortes da coroa e das condições climáticas. O desenvolvimento da doença nos frutos são decorrentes de um clima quente e seco, assim como deficiência de potássio e fósforo no solo. Além disso, ferimentos ou danos mecânicos na planta e no fruto também favorecem o estabelecimento da doença.

Ciclo de vida da Podridão abacaxi

Thielaviopsis paradoxa produz microconídios e macroconídios. Os primeiros são produzidos sobre conidióforos, são hialinos, pequenos, eretos e liberados na forma de bastonetes em cadeia. Nas hifas mais velhas formam-se numerosas ramificações que produzem conidióforos curtos onde são formados os macroconídios ovais, pardo-escuros, com tamanho 3 a 4 vezes maior que o microconídio. Enquanto os microconídios germinam muito rapidamente, sendo responsáveis pela rápida disseminação do patógeno, os macroconídios permanecem viáveis em épocas cujas condições climáticas podem ser adversas à sua sobrevivência. Em sua fase teleomórfica, Thielaviopsis paradoxa (Ceratocystis paradoxa) produz peritécio, dentro do qual são produzidas as ascas e, por sua vez, os ascósporos. T. paradoxa tem seu crescimento e desenvolvimento limitados quando sob temperatura de cerca ou próxima de 10ºC e 34ºC, e em pH em torno de 3,0 e 9,0. Os intervalos de temperatura entre 25ºC e 28ºC, e de pH entre 6 e 7, foram as condições de ambientes que se mostraram adequadas ao desenvolvimento do fungo e à produção de esporos, em grande quantidade. Quando a 5,0 ºC o fungo teve o seu desenvolvimento vegetativo inibido.

Sintomas e Danos

O fungo penetra na planta por cortes ou ferimentos, sendo incapaz de entrar por aberturas naturais. Este fato faz com que ele só seja observado atacando restos de cultura anterior e colmos danificados. Na cana-de-açúcar, é particularmente importante porque as mudas são cortadas em toletes por ocasião do plantio, oferecendo portanto a porta de entrada para o fungo.

Em toletes recém-invadidos por Thielaviopsis observa-se, nas extremidades, um encharcamento do tecido que se inicia no corte e se aprofunda rapidamente, atravessando o tecido do nó sem dificuldade antes da formação do tecido avermelhado com substâncias de defesa.

À medida que a podridão avança, a coloração dos tecidos vai-se alterando, passando para cinza, parda-escura e finalmente negra. Nesta última fase só resta a casca intacta do tolete, os feixes fibrovasculares internos estão soltos c recobertos por massa negra de esporos. Toletes infectados podem iniciar o desenvolvimento de raízes e gemas. Estas, no entanto, têm seu crescimento retardado e inibido, no geral morrem antes de emergirem do solo ou o fazem vagarosamente, produzindo plantas fracas que são dominadas pelo mato ou pela competição com plantas vizinhas.

O sintoma mais típico da doença é a fermentação dos toletes que exalam um odor agradável e característico de essência de abacaxi. Esta fermentação é mais acentuada nas fases iniciais do ataque enquanto o tolete tem reservas de açúcar. Anualmente, perdem-se áreas extensas de canaviais que não germinam devido ao ataque do fungo.

Como controlar a Podridão abacaxi?

  • Qualquer medida que estimule a brotação rápida dos toletes ou proteja as feridas por onde o fungo penetra, produz excelentes resultados no controle da doença.
  • A escolha da época de plantio já é suficiente para controlar o fungo. Todo plantio efetuado nos meses de verão está livre da doença.
  • Bom preparo do solo, plantio raso, mudas novas e vigorosas, contribuem para a diminuição dos danos, mesmo quando o solo estiver contaminado.
  • Plantio em períodos favoráveis ao fungo requer mudas mais novas e colmos inteiros (sem picar).

Como prevenir o Podridão abacaxi

Os métodos de prevenção são:

  • usar variedades resistentes, de rápida brotação
  • utilizar gemas da parte superior do colmo, pois gemas mais jovens (ápice do colmo) tendem a brotar mais rapidamente que as mais velhas (base do colmo);
  • minimizar os ferimentos nas mudas, reduzindo as portas de entrada para o fungo;
  • minimizar os ferimentos nas mudas, reduzindo as portas de entrada para o fungo;
  • plantar em maiores densidades de gemas por metro, compensando as possíveis falhas de brotação - provocadas por T. paradoxa.

Entre em contato com um especialista da Koppert

Koppert Biological Systems

Thanks for your request!

Something went wrong, please try again

Quer saber mais sobre nossa empresa e produtos? Entre em contato com um dos nossos especialistas.
Produzimos produtos e soluções para agricultores

Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pela Política de privacidade e Termos de serviço da Google.
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pela Política de privacidade e Termos de serviço da Google.

Assine nossa newsletter

Receba notícias da Koppert do Brasil na sua caixa de e-mail

Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pela Política de privacidade e Termos de serviço da Google.
Rolar para o topo