Thielaviopsis paradoxa

Pineapple black rot

Geral

Ceratocystis paradoxa é um fungo pertence à sub-divisão Ascomycotina. Nas condições brasileiras o fungo é normalmente encontrado na forma imperfeita, Thielaviopsis paradoxa. Este produz dois tipos de esporos: microconídios e macroconídios. Os primeiros são produzidos endogenamente nos conidióforos, são hialinos, pequenos, eretos e eliminados na forma de bastonetes em cadeia. Nas hifas mais velhas formam-se numerosas ramificações que produzem conidióforos curtos onde são formados macroconídios ovais, pardo-escuros, com volume 3 a 4 vezes maior que o do microconídios. Saprófito dos restos de culturas ou outros materiais vegetais em decomposição. Pode ser disseminado através dos frutos e pelas mudas infectadas. Os conídios são dispersados pelo vento, respingos da água da chuva, irrigação por aspersão ou por insetos. Temperatura ótima de 25ºC e umidade relativa do ar alta. A incidência e a severidade vão variar de acordo com o organismo que conseguir entrar nos cortes da coroa e das condições climáticas. O desenvolvimento da doença nos frutos são decorrentes de um clima quente e seco, assim como deficiência de potássio e fósforo no solo. Além disso, ferimentos ou danos mecânicos na planta e no fruto também favorecem o estabelecimento da doença.

Ciclo de vida da Podridão abacaxi

Thielaviopsis paradoxa produz microconídios e macroconídios. Os primeiros são produzidos sobre conidióforos, são hialinos, pequenos, eretos e liberados na forma de bastonetes em cadeia. Nas hifas mais velhas formam-se numerosas ramificações que produzem conidióforos curtos onde são formados os macroconídios ovais, pardo-escuros, com tamanho 3 a 4 vezes maior que o microconídio. Enquanto os microconídios germinam muito rapidamente, sendo responsáveis pela rápida disseminação do patógeno, os macroconídios permanecem viáveis em épocas cujas condições climáticas podem ser adversas à sua sobrevivência. Em sua fase teleomórfica, Thielaviopsis paradoxa (Ceratocystis paradoxa) produz peritécio, dentro do qual são produzidas as ascas e, por sua vez, os ascósporos. T. paradoxa tem seu crescimento e desenvolvimento limitados quando sob temperatura de cerca ou próxima de 10ºC e 34ºC, e em pH em torno de 3,0 e 9,0. Os intervalos de temperatura entre 25ºC e 28ºC, e de pH entre 6 e 7, foram as condições de ambientes que se mostraram adequadas ao desenvolvimento do fungo e à produção de esporos, em grande quantidade. Quando a 5,0 ºC o fungo teve o seu desenvolvimento vegetativo inibido.

Como prevenir o Podridão abacaxi

Atenção:

Você está no site Koppert do Brasil.
O conteúdo deste site é destinado a agricultores e demais profissionais do setor agrícola.