Manejo integrado de pragas

Manejo integrado de pragas

Usando o poder da natureza

Basta falar sobre o futuro da produção alimentar para que o medo entre no coração de uma pessoa: como é que os dez bilhões de pessoas que popularão a terra em 2050 terão alimentos suficientes? Como poderemos alcançar aproximadamente o dobro da quantidade de terra agrícola fértil atual, tal como necessitaremos de fazer se cada vez mais pessoas mudarem para uma dieta ocidental com seus elevados níveis de carne e laticínios? Como podemos assegurar a produção de alimentos saudáveis de formas seguras tanto para os humanos como para o ambiente?

Precisamos passar apenas uma hora na internet para ficarmos impressionados com os problemas globais: o ciclo vicioso que surge do uso de grandes quantidades de fertilizante artificial, que aumenta a dependência sobre os pesticidas e que, por sua vez, causa resistência e danos no ambiente e na saúde humana. Daqui a 50 anos, os estoques do componente mais importante de fertilizante artificial, o fosfato, terão acabado. Desflorestação, erosão, escassez de água potável, pesca excessiva, poluição do ar e da água do mar e as alterações climáticas: são fatores que complicam ainda mais os problemas.

De acordo com as Nações Unidas e a União Europeia, a inovação na agricultura e horticultura é a prioridade número um. O objetivo da inovação deve ser salvaguardar e, quando for possível, aumentar a produção de alimentos saudáveis por hectare, com o uso mínimo de fertilizantes artificiais e pesticidas químicos. A maioria dos cientistas concorda que isso seria possível apenas se cultivarmos plantações de acordo com o conceito de Manejo integrado de pragas (MIP). Trata-se de um termo que se refere à forma como os agricultores cultivam e protegem suas plantações, com base em um conhecimento de ciclos de plantas, equilíbrios e relações de dependência entre plantas, insetos, micro-organismos e nutrientes. O cultivo sustentável requer que as plantações sejam resistentes a doenças e infestações, e o ambiente no qual elas crescem deve ter a capacidade de se reparar a si mesmo. Só então poderemos reduzir o uso de fertilizantes artificiais, minimizar a dependência de pesticidas e aumentar a produtividade.

Independentemente dos resultados do Manejo integrado de pragas (MIP), é justo dizer que, a nível global, a sua implementação na agricultura ainda está dando seus primeiros passos e ainda teremos de caminhar muito para compreender tudo o que acontece nas plantações que cultivamos para obter alimentos e ao seu redor. A Koppert é uma das forças impulsionadoras que está por trás da inovação inspirada do MIP na produção alimentar. Através da pesquisa e do desenvolvimento de produtos e através do compartilhamento de conhecimento com agricultores e produtores por todo o mundo através da sua rede, a empresa está trabalhando para expandir seu conjunto de recursos e ferramentas para minimizar o uso de fertilizantes artificiais e pesticidas na produção alimentar.

O que é o Manejo integrado de pragas?

Existem várias definições que explicam o que é o Manejo integrado de pragas (MIP). O mais importante é o seu objetivo: use o controle biológico quando puder e o controle químico quando precisar. A caixa de ferramentas que nos leva até lá contém vários instrumentos diferentes. Isso torna o trabalho do consultor de MIP muito versátil, interessante e, por vezes, complicado. As ferramentas mais importantes de MIP estão descritas abaixo.

Saúde dos solos

Um solo ou substrato saudável é a base para uma plantação saudável. Pense sobre a saúde do solo ou do substrato de uma forma além da biológica: presença mínima de pragas ou doenças transmitidas pelo solo. Também do ponto de vista químico: minerais equilibrados na matriz do solo ou solução nutriente. E sem esquecer também os aspetos físicos: uma estrutura porosa do solo ou substrato que permite a troca de gases entre a zona da raiz e o ar acima.

Variedade de escolha

As variedades de plantações podem diferir de forma significativa na sua suscetibilidade às pragas e às doenças. E isso vai além das resistências que têm nos seus genes. A diferença no tecido das folhas e na composição da seiva vegetal entre as variedades também executa uma função na forma como as pragas e as doenças se desenvolvem.

Plantio de precisão

Esta técnica ajuda a fornecer as mesmas condições a cada planta, conduzindo a uma plantação mais uniforme. Isto, por sua vez, evita plantas mais fracas, que são mais vulneráveis a pragas e a doenças.

Higiene das plantações

Esta fase começa na cultura anterior: ao remover a plantação antiga com suas pragas e organismos de doenças restantes da área de crescimento ajudará a reduzir ou a retardar a infecção na nova plantação. Também é importante limpar a estrutura da estufa com tudo o que ela contém. Remover as plantas ou partes de plantas infectadas no início da nova plantação limitará a origem da infecção.

Aplicação de produtos PGP

Os micro-organismos de promoção do crescimento das plantas podem ser aplicados desde o início do cultivo. Estes enriquecem a composição microbial da rizosfera. O consórcio de micróbios benéficos induz uma resistência sistêmica e ajuda as plantas a crescerem melhor. O revestimento de sementes é uma forma eficiente de aplicar micro-organismos benéficos em plantações arvenses.

Monitoramento e aplicação

Um reconhecimento frequente e sistemático é essencial para o sucesso do MIP. A detecção atempada de pragas e doenças leva a uma ação eficiente quando os níveis de pragas ou doenças são baixos e as ações são mais eficientes. Olhos atentos, armadilhas adesivas, armadilhas de feromônios e lupas são ferramentas indispensáveis para o reconhecimento e monitoramento. As técnicas modernas com câmeras especiais em drones fornecem opções novas e interessantes para o reconhecimento. O reconhecimento adequado também fornece dados que ajudam a quantificar o desenvolvimento de pragas e inimigos naturais. Todos os esforços de reconhecimento geram bastantes dados. A Agricultura de precisão transforma estes dados em informações úteis para gerenciar, avaliar e melhorar continuamente os sistemas MIP. A Koppert fornece ferramentas de hardware e software que facilitam o reconhecimento e a Agricultura de precisão.

Os drones podem ser preparados para distribuir inimigos naturais com o mínimo esforço laboral. Em combinação com os dados de reconhecimento relevantes do sistema de Agricultura de precisão, será possível, muito em breve, ajustar a taxa de aplicação ao nível da infecção local. O controle biológico com inimigos naturais é um jogo de números, pelo que esta técnica ajudará a obter o melhor lucro através do investimento em inimigos naturais.

Limiares econômicos para o tratamento

As pragas ou doenças podem estar presentes em uma plantação sem causar prejuízos econômicos. Naturalmente o nível de limiar varia consoante a plantação e a combinação de pragas ou doenças. O conhecimento destes limiares e dinâmicas de pragas e inimigos naturais ajuda a evitar intervenções desnecessárias (químicas).

Insetos benéficos

Liberações preventivas de inimigos naturais
Os inimigos naturais devem ser introduzidos cedo no desenvolvimento da população de pragas para que sejam mais eficientes. Em certos casos, a liberação de inimigos naturais mesmo antes de as pragas estarem presentes é possível ou necessária para uma eficiência ideal. Certos ácaros benéficos podem se alimentar de pólen ou de ácaros da comida; certos insetos benéficos podem se alimentar de comidas especiais com base em ovos de traça. Certos parasitoides podem ser cultivados em unidades abertas de criação de inimigos naturais na estufa.

Liberações progressivas de insetos/ácaros benéficos
Quando as liberações preventivas não são possíveis ou exequíveis, os dados de reconhecimento ajudam a orientar o tempo e as taxas para a introdução de inimigos naturais.

Armadilhas em massa

Os inimigos naturais não estão comercialmente disponíveis para todas as pragas. E, em alguns casos, os inimigos naturais necessitam de ajuda. Técnicas de armadilhas em massa, como Rollertraps ou Horiver (1000/ha), contribuem para o controle das etapas voadoras de pragas como a mosca-branca e tripes. Para outras pragas, as armadilhas de feromônios podem tornar as armadilhas em massa mais eficientes.

Usar a nutrição de plantas para uma melhor saúde das plantas

Os dados de análise da seiva vegetal têm revelado relações claras entre a composição de nutrientes da folha e a suscetibilidade para pragas ou doenças. Gerenciar o status nutricional de plantas está se tornando uma ferramenta importante no gerenciamento da saúde das plantas. Por exemplo, os níveis de nitrato baixo na seiva vegetal desaceleram o desenvolvimento de ácaros-aranha, da mosca-branca e de outras pragas sem comprometer a produção ou a qualidade. Existem muitos mais exemplos.

Adequar o MIP ao gerenciamento de plantações

Conhecer o ciclo de plantação e o gerenciamento da plantação é essencial para uma melhor integração do programa MIP e da cultura. A estratégia de remoção de folha em tomates pode fazer diferença na forma como as populações de parasitoides da mosca-branca e os Macrolophus se desenvolvem. A aplicação de ácaros predadores contra tripes em plantas de vaso é mais eficiente quando é feita antes de realizar o espaçamento entre as plantas. As plantas criadas em condições frias requerem elementos benéficos que funcionem bem nessas condições.

Gerenciamento do clima

O programa "Next Generation Growing" (Cultivo de nova geração) causou uma mudança de paradigma no gerenciamento da plantação e do clima em estufas de alta tecnologia. Ele demonstra como é que o gerenciamento do equilíbrio de água, energia e assimilados contribui para uma plantação saudável e menos vulnerável a pragas e doenças.

Pesticidas biológicos

Existem três categorias de pesticidas biológicos.

Os pesticidas microbiais se baseiam em bactérias, fungos, oomicetos ou vírus e podem ser usados para o controle biológico de pragas e doenças. Os exemplos são: Trianum (Trichoderma harzianum), Mycotal (Lecanicillium muscarium) e Bacillus thuringiensis.
-
Os químicos biológicos se baseiam em extratos de plantas ou metabólitos (nim, óleos de plantas).
-
Os feromônios de sexo são o exemplo mais conhecido de semioquímicos.

Os pesticidas biológicos fornecem uma vasta gama de ferramentas para o controle de pragas e doenças sem químicos. O uso é possível apenas quando o produto está registrado no país da aplicação. Os pesticidas biológicos são, geralmente, compatíveis com inimigos naturais, mas existem exceções. Consulte o banco de dados de efeitos secundários da Koppert ou baixe o aplicativo de eventos adversos para obter informações específicas.

Químicos compatíveis

Quando as ferramentas isentas de químicos não têm capacidade para manter os níveis de pragas ou de doenças abaixo do limiar econômico, muitas vezes, existe a possibilidade de usar pesticidas químicos com um impacto mínimo sobre os inimigos naturais ou pesticidas microbiais. Consulte o site do banco de dados de eventos adversos da Koppert ou o aplicativo para obter informações específicas e verifique com o cliente se o pesticida escolhido não interfere com os requisitos do mercado.

Precisa de ajuda?
Atenção:

Você está no site Koppert do Brasil.
O conteúdo deste site é destinado a agricultores e demais profissionais do setor agrícola.